O mecanismo

A observação dos aspectos sensoriais focalizados - os modais primários - indica que no Processo Evolutivo das populações animais investigadas, ... ao lado dos mecanismos das MUTAÇÕES ALEATÓRIAS e da SELEÇÃO NATURAL, atua um outro, o da OPOSIÇÃO SENSORIAL. E por este, os animais do esquema se dividem em OBSERVADORES e OBSERVADOS.

Mecanismo

``OPOSIÇÃO SENSORIAL´´

8.1 - A VASTIDÃO DOS ESPECTROS

Ao acompanhar a vida animal ficamos chocados com a diversidade que envolve cada espécie, cada população. Vide a dos FELINOS: dos grandes aos pequenos, dos selvagens aos domésticos, o espectro é vasto. Estes últimos, por sua vez, variam do falante siamês ao introspectivo persa. Mas apesar de suas diferenças, todos possuem aspectos sensoriais comuns (os modais primários): o olhar que particula, que converge para a parte, que individualiza, ... a sensorialidade motora elástica, a fisiologia `partida´, ... a fonação discreta, descontínua, ... o tato `pelo com pelo´, que evita o contato ao primeiro encontro, etc. E o interessante é que estes atributos também se manifestam nos corpos equinos e suínos.

Aspecto felino

E o exposto se extende aos paradigmas. Apesar da espantosa diversidade do mundo dos répteis e das aves, todos os planos corporais dos primeiros (das serpentes aos crocodilos) são direcionados pelos sentidos do OLFATO/FONAÇÃO (corpos de ímpeto olfativo/fonatório) e os dos segundos (dos beija-flores aos abutres) pelos da VISÃO/AUDIÇÃO (corpos de ímpeto audiovisual). Exceções existem, mas são casos limites em seus respectivos espectros, adaptações ditadas pela necessidade de sobrevivência, e que ocorrem no nível Evolutivo secundário.

Ímpeto

8.2 - OBSERVAÇÃO

Apesar de sabermos que à cada diversidade ordenada, corresponde uma síntese, o nosso prazer intelectual nos atrai para a análise. Somos seres analíticos. Por isso vale repetir: a investigação introdutória ao fenômeno da `` oposição sensorial primária ´´ - a que estamos expondo neste site -... é um trabalho, a princípio, de síntese fenotípica. Precisamos nos apoiar num PLANO DE OBSERVAÇÃO que nos possibilite - sem ambiguidades - verificar caracteres linguísticos comuns.

CARACTERES LINGUÍSTICOS COMUNS

8.3 - IDENTIFICANDO AS LIBIDOS

Conforme exposto, os aspectos abaixo, sincrônicos cada qual em seu ramo, são `parâmetros arquetípicos´ a serem observados na determinação da libido sensorial de determinada população.

Identificando as libidos

Vale lembrar ainda: o refinamento fisiológico de um órgão não implica necessariamente na libido para o uso deste órgão. Exemplo: cães têm boa audição, mas não têm prazer instintivo em ouvir, preferem ser ouvidos, ... gatos tem o faro aguçado, mas tendem a se afastar da fonte do cheiro, ou seja, a libido olfativa é reativa aos odores...

8.4 - GENERALIZAÇÃO

O bom senso indica que o esquema sensorial focalizado não se restringe às seis populações investigadas, mas se estende aos demais mamíferos. Ou será que a sensorialidade modal primária, ou seja, o fato de uns serem J e outros C, é exclusivo a felinos, equinos, suínos, caninos, bovinos, esquilos e seus respectivos paradigmas?!

Um dos objetivos específicos
da Zoosemiótica Sensorial
é justamente responder essa questão.
?

8.5 - OUTROS OBJETIVOS

Afora objetivos pontuais como o acima - como por exemplo : E quanto aos peixes e anfíbios ? Ou ainda: A partir de que momento o esquema de `oposição sensorial´ passou a atuar no Processo Evolutivo ? - a ZOOSEMIÓTICA SENSORIAL tem um ...

objetivo amplo.

Antes de citá-lo, no entanto, necessitamos expor as PERSPECTIVAS a que o mecanismo da ``oposição sensorial´´ nos conduz.

Este assunto é abordado na próxima JANELA.